Águas de Barcelos

ÁGUAS DE BARCELOS REALIZOU MAIS UMA EDIÇÃO DO CONCURSO DE POESIA

04/05/2020

CERCA DE 750 CRIANÇAS FALARAM DE ÁGUA COM AMOR

Jorge Luís Nogueira Carvalho, do 4.º ano da EB de Caminhos - Lama, foi o grande vencedor.

Com o objetivo de continuar a estimular, junto dos mais jovens, o gosto pela escrita e pela leitura, a Águas de Barcelos desafiou, mais uma vez, os alunos do 3º e 4º ano, do Ensino Básico, a assinalarem o Dia de São Valentim com um poema recheado de sentido. O Concurso de Poesia sob o tema «Falar de Água com Amor» abrangeu todas as escolas públicas do 1.º ciclo do ensino básico do concelho e contou com a participação de cerca de 750 alunos. O júri foi composto por Joana Luísa Matos, Víctor Pinho e José António Serra.

O grandevencedor foi Jorge Luís Nogueira Carvalho, do 4.º ano da EB de Caminhos – Lama. Em segundo lugar ficou Eva Araújo Sousa, do 3.º ano da EB de Fonte Coberta, e em terceiro ficou Mathew Casanova Silva, do 4.º ano da EB de Carreira. O aluno vencedor receberá um tablet; o segundo classificado receberá um mp4; o terceiro classificado, um mp3. À escola vencedora, neste caso a EB de Caminhos – Lama, será oferecido um vídeo projetor. Todos os participantes receberão diplomas de participação. Os melhores poemas serão depois expostos em data a definir.

A poesia tinha de ser original, criativa, coerente, pertinente ao tema, com ideias e vocabulários compatíveis à sua categoria, bem como conter as palavras ‘Águas’ e ‘Barcelos’.

O poema vencedor:

 

Falar de Água com Amor

 

A Água de Barcelos é potável,

quem a bebe sabe-se hidratar.

O nosso corpo mantém-se saudável,

a nossa mente relaxada vai ficar.

 

A Água, a qualquer hora,

só faz bem, podem crer!

Não devemos deitar fora,

um bem que nos faz viver!

 

A Água é um bem precioso,

temos que a saber preservar.

Se fizermos um controlo rigoroso,

ficaremos todos a ganhar!

 

A Água é como o Amor,

sem estes a vida é impossível,

amar em Barcelos tem mais sabor,

acreditem, é uma experiência imperdível!

 

Jorge Carvalho, 4.º CL2, Escola Básica de Caminhos - Lama

 

2.º lugar | Eva Araújo Sousa, do 3.º ano da EB de Fonte Coberta (poema aqui)

3.º lugar |  Mathew Casanova Silva, do 4.º ano da EB de Carreira (poema aqui)

 

O júri:

JOANA LUÍSA MATOS

Joana Luísa Lopes Torres Matos nasceu em 25 de Novembro de 1973 em Barcelos. Licenciou-se em Medicina Dentária em 1997 na Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto, com pós-graduações nas áreas de Ortodontia, Oclusão e Ortopedia Funcional dos Maxilares. Fundou em 1999 a “Ortocelos Clínica Médico- Dentária Barcelos”, onde exerce a sua prática privada e as funções de proprietária e de diretora clínica.

Desde cedo despertou para o mundo das letras e das artes, tendo publicado em 1993 o seu primeiro livro de poesia. Em 2000 participou na “Antologia dos Jovens Poetas do Baixo Minho”. Em 2004 iniciou_se nas artes do teatro, da declamação poética e do canto, tendo participado em vários espetáculos poético _musicais. Foi sócia fundadora do grupo” D’ Improviso_Artes do Espectáculo”. Em 2015 publicou o seu primeiro conto infantil
"As Cinco Ânforas de Ouro", que nos leva a redescobrir e a reapreciar os valores, numa escrita rigorosa e sensível, com ilustrações de Sebastião Peixoto. Este livro, de grande sensibilidade humanística e artística, deslumbra não somente os mais pequenos, mas também os pais e os educadores.

Entre 2018 e 2019, publicou os dois primeiros volumes da coleção “Raimundo Canta Barcelos”. Com ilustrações de Susana Lima, esta coleção pretende contar, com a ajuda do galo Raimundo, a história de Barcelos aos mais pequenos. Esta colecção que se pretende que tenha quatro volumes, tem o apoio da “ Câmara Municipal de Barcelos “.

 

VICTOR PINHO

Licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Victor Pinho possui o curso de especialização em Ciências Documentais pela mesma Universidade e é Chefe do Gabinete de Bibliotecas do Município de Barcelos. Técnico Superior do Câmara Municipal de Barcelos, dirige a Biblioteca Municipal há 33 anos, tendo proferido diversas conferências sobre Leitura Pública e História Local.  É ainda membro da Comissão de Toponímia e é responsável pelo programa cultural da Feira do Livro.

Autor de diversos trabalhos de História Local, a maior parte dos quais publicados na “Barcelos Revista” e nos semanários “A Voz do Minho” e “Jornal de Barcelos”, onde tem vindo a publicar “Os Presidentes do Município de Barcelos”, desde o liberalismo até à atualidade. É ainda o Coordenador Científico dos Fascículos que este mesmo jornal está a publicar sob o tema “Concelho de Barcelos – Freguesias”. É autor do livro “Dicionário de Barcelenses” publicado em 2017 e que foi Prémio Literário do Município de Barcelos, 2009, na modalidade de investigação. É coautor do livro “D. José Domenech: defensor do trabalho e prestante cidadão” publicado em 1999, em que divulga a vida e obra deste industrial espanhol de serração de madeiras e que contribuiu para a fixação, em Barcelos, de muitos cidadãos espanhóis. No prelo, está o livro “Teatro Gil Vicente: um século de histórias”, que retrata a história cultural e social de Barcelos, antes e depois da fundação daquela casa de espetáculos. É membro do Rotary Clube de Barcelos, do qual foi presidente em 1998/1999 e presidente da Assembleia Geral da Tertúlia Barcelense, da qual foi presidente em 2000/2001. Foi Presidente do Definitório (Conselho Fiscal) da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos, de 2009 a 2014, da provedoria do Engº Mário Azevedo e do Dr. António Pedras, Presidente da Direção do IPIR – Instituto Português de Imprensa Regional, de 2002 a 2008 e Vice-Provedor da Real Irmandade do Senhor Bom Jesus da Cruz de Barcelos, de dezembro de 2003 a março de 2007, da provedoria do Dr. Vale Ferreira.

 

JOSÉ ANTÓNIO SERRA

José António Serra é docente do Ensino Básico, geógrafo e urbanista, pela Universidade do Minho. Possui obras editadas, sobre o empreendorismo da mulher, a defesa da igualdade de género. A par disso, tem incursões no mundo da poesia. De resto, um gosto que procura incutir nos seus discentes, quer na escrita criativa, quer na participação em concursos de poesia.

Em termos de jornalismo, colaborou em alguns órgãos de imprensa com o heterónimo Vítor Serra e outros. Possui inúmeros trabalhos de investigação publicados, dedicados quer a figuras locais: Garcia de Guilhade, Teotónio da Fonseca, António Ferraz, José Novais, Felgueiras Gayo, Gaspar Goes do Rego, Queirós Veloso, Pedro de Barcelos, Martins Lima, Miranda de Andrade, João Cardoso de Albuquerque, Gomes Pereira, Júlio Vieira Ramos, Jaime de Séguier, Augusto Soucasaux, Artur Roriz, Abade do Louro, Cardoso e Silva, Lapa Carneiro, Alfredo Carvalhais, João Macedo Correia, Cândido da Cunha, Gonçalves Torres, Jerónimo, Fernando Lopes entre outros; ao urbanismo; ao património paisagístico e natural; ao património arqueológico, arquitetónico, monumental e artístico; à literatura, entre outras.

Do mesmo modo, é autor de diversos artigos de opinião como cidadão do mundo. Foi vencedor do prémio literário atribuído pelo Município de Barcelos, na modalidade da investigação, ao trabalho “A Feira de Barcelos do Século XIII Até ao Presente”: evolução da fisionomia dos espaços, em 2011.

Presentemente, trabalha no projeto “Águas, Fontes, Fontanários e Outras Tipologias”.